X passos para utilizar drones na otimização de dados para uma modelagem 3D

O advento e a relativa democratização do uso de drones revolucionaram diferentes setores. Pode-se dizer que a construção civil foi uma das áreas mais impactadas por essa tecnologia, que possibilita a redução do tempo de obra e o acesso à maior riqueza de detalhes para a fase de modelagem de edificações.

Veja a seguir quais são os passos a serem seguidos para melhorar a efetividade do uso de drones na otimização de dados para modelagem 3D. Ou seja, como aproveitar ao máximo o potencial desse veículo aéreo para coletar as informações que vão abastecer o software e resultar no 3D da obra.


Conheça pelo menos o básico de fotogrametria


Para coletar dados com o drone e obter sucesso nessa jornada, o primeiro passo é conhecer o que se chama de fotogrametria, no mínimo seus princípios básicos. A fotogrametria pode ser definida como a ciência que cria espaços tridimensionais a partir de imagens bidimensionais.

Mas se esse processo só acontece na finalização das imagens, por que é preciso compreendê-lo para capturá-las?

Simples: a captação das imagens pelo drone é realizada graças a sensores que segue coordenadas previamente estabelecidas. E essas coordenadas precisam estar de acordo com os parâmetros da fotogrametria. Caso contrário, haverá falhas na conversão das imagens em 2D para o espaço 3D.

Por isso, é essencial conhecer quais são os parâmetros que regem a fotogrametria para garantir que eles serão seguidos.


Execução do planejamento de voo


Depois de saber quais são os parâmetros e programar a câmera de acordo com eles, é preciso montar o planejamento de voo para o drone. Essa é a primeira etapa propriamente dita do levantamento de dados com a aeronave. Inclusive, os conhecimentos de fotogrametria que foram adquiridos, já serão colocados em prática aqui.

O planejamento de voo normalmente inclui a área onde os dados serão levantados; a velocidade do drone; a distância focal da câmera; a altura e o ângulo do voo; os pontos de decolagem e pouso; o percurso que a aeronave vai percorrer e qual é o tempo previsto; o tempo de disparo da foto e outras informações.

Todos esses dados precisam ser minuciosamente elaborados, uma vez que boa parte deles vai interferir diretamente na modelagem 3D. Ou seja, dependendo do resultado a ser obtido, existe um planejamento de voo correto. É preciso dedicar toda atenção possível a esse passo.


Escolha do software de processamento das imagens


Uma vez que as imagens foram capturadas, elas precisam ser submetidas ao melhor software de processamento, que vai resultar em três elementos: ortofoto e ortomosaico.

A ortofoto é uma imagem que foi geometricamente corrigida, ou seja, os desníveis do relevo e da inclinação, por exemplo, são eliminados. É como se a imagem fosse “limpa”. Já um ortomosaico é um mosaico constituído pelas ortofotos.

Existem várias opções de softwares que processam imagens obtidas por drone. Procure escolher o que for mais completo em relação aos recursos que oferece, pois isso vai proporcionar um resultado melhor.

A Age Drone é especializada em fotografia aérea, entre em contato conosco para conhecer melhor os nossos serviços.